Desenvolvendo um aplicativo para Windows 8 pt. 2

No primeiro post falei o que me motivou a desenvolver um aplicativo para Windows 8[bb]. Hoje trago como que me preparei para iniciar o desenvolvimento.

Como disse no post anterior, nunca havia desenvolvido para a plataforma e apesar de já desenvolver para plataforma Windows, tive aprender o novo conceito de aplicativo que Microsoft propõem para o Windows 8. E foi por ai que comecei.

Estudando o conceito de design de aplicativo para Windows 8

Na página de para inicio de desenvolvimento (Get Started) para a plataforma, existe uma lista de coisas para serem feitas antes do desenvolvimento. Essa lista engloba desde o download de ferramentas, tutoriais básico até a parte de design do aplicativo.

Resolvi da uma atenção especial para o que dizia respeito a layout de aplicativo. Existem regras que devem ser seguidas para que a experiencia do usuário seja a mesma em todos os aplicativos, não em funcionalidade, mas na forma como o usuário interage com a aplicação. Por exemplo, um usuário sempre clica com o botão esquerdo do mouse, ou toca e segura em tablets, espera que seja aberta uma barra na parte inferior ou superior da tela com ações que ele pode executar.

Diretrizes para tamanho de aplicativo para Windows 8

Diretrizes para tamanho de aplicativo (Fonte: msdn.microsoft.com)

Além disso, existe todo um conjunto de regras a respeito, por exemplo, da distancia entre objetos que façam parte de uma mesma área e a distancia que essa área deve ter de outra. Tudo isso deve ser seguido, para que a experiencia do usuário seja sempre agradável.

Estudando API

Como ainda não finalizei o aplicativo que estou desenvolvendo, não colocarei qual serviço estou acesso via API. Mas, independendo do dado que será tratado e exibo no aplicativo, um coisa que tem que ser muito estudada para é a API.

Alguns ponto importantes que devem ser levados em consideração antes de iniciar o desenvolvimento, são:

  • O serviço disponibilizar uma forma mais fácil para acesso ao dados? Por exemplo uma SDK.
  • O tipo de dado que a API retorna. Esse é um ponto que deve ser considerado antes de mais nada, porque algumas pessoas, pelo seu conhecimento, preferem trabalhar manipulando dados em formato XML, outras em JSON. Este  ponto pode estar ligado diretamente ao primeiro. Ao disponibilizar uma SDK, não necessariamente, esta se adequará a maneira que você pensou em tratar os dados.

Bom, por hoje é só. Numa próxima trarei algum código interessante e dicas de programação para a plataforma Windows 8.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.