Aprendendo a programar em Python – Parte 3

Para quem está aprendendo a programar em Python ou qualquer outra linguagem, trabalhar com aquivos abre um leque de possibilidades muito grande. Nesse post, abordarei como tratar arquivos. Abrir, ler e gravar arquivos. E essa é uma tarefa bastante fácil no Python, sendo que com três linhas, como veremos abaixo, já é possível ler todo o conteúdo de um arquivo.

Abrindo arquivo para escrita

Abaixo um código simples para abrirmos um arquivo de texto e escrever nele.

arquivo = open("C:\\teste.txt","w")
arquivo.write("Texto arquivo")
arquivo.close()

Continue lendo

Aprendendo a programar em Python – Parte 2

Venho mostrar nesse segundo post, alguns pontos importantes para quem está aprendendo a programar em Python. No primeiro post, mostrei o básico, como a instalação do ambiente para desenvolvimento com o Python e como realizar operações aritméticas e concatenação.

Scripts Python

Diferente do primeiro post, não vamos utilizar o IDLE em tempo de execução. Criaremos um arquivo a extensão .py, que será o arquivo onde escreveremos o script.

Continue lendo

Começando a programar em Python – Parte 1

Hoje aprenderemos os primeiros passo para programar em Python[bb].

Quando digo aprenderemos, me incluo. Assim como o blog surgiu como uma forma de exercício quando estava aprendendo a programar, na época em Visual Basic, a partir de hoje teremos também posts abordando o Python.*

O que precisamos para iniciar?

A primeira coisa que precisamos fazer é instalar em nosso computador um interpretador Python. Se você estiver utilizando Windows, será necessário baixar e instalar. No link http://www.python.org/download/ você encontrará os arquivo necessários. Se for um usuário Linux[bb] é provável que já o tenha, tente executar “python” no shell.

Para esse primeiro contato, veremos como utilizar a IDLE (versão para Windos), que é um interpretador interativo, com ele ao digitar as instruções no console, após o “Enter” o comando é executado, e se houver saída será exibida na próxima linha.

Na atual versão do Python instalada em meu computador o IDLE tem a seguinte aparência.

Ela trás algumas informações de versão e licença, mas o que nos interessa mesmo está após o simbolo “>>>”, conhecido como prompt.

Começando do Zero

Como havia dito, o interpretador interativo exibe o resulta, caso tenha, da instrução digitada na linha seguinte à do comando.

Então vamos ao código. Toda a parte que estiver em itálico e roxo, deve ser digitada, inclusive aspas. Atenção, recomento que não copie o código de exemplo que aqui coloco, já que alguns caracteres podem ser interpretados de forma diferente pelo navegar, e ao colar na IDLE, esta pode não aceitar o carater.Mehor digitar os comandos, inclusive isso ajuda na fixação.

O básico, digite na IDLE Ola mundo!! e de enter.

Terá o seguinte resultado.

Não utilizei o acento em ‘Olá’. Da forma como fizemos, simplesmente digitando a string na IDLE o “á” será substituído por seu equivalente na tabela ASCII em notação octal. Para que o python interprete de forma correta se digitarmos ‘Olá’, é necessário digitar print “Olá mundo!!”. Tente ai.

O python aceita tando aspas ‘simples’ quando “duplas” para representar strings. Recomendo que se começar o seu código com ‘simples’, sempre use ‘simples’. É mais por uma questão de estética do código.

Agora o Feijão com arroz.

Vimos que o interpretador exibiu o nosso Olá mundo assim que digitamos a instrução e demos enter.

E para cálculos? Tão simples quanto a primeira instrução.

Digamos que queira saber quando é 1 + 1.

Se você percebeu o quando o python é simples, já deve imaginar.

Para exibir o resultado é muito simples, basta digitar 1+1 e apertar enter. Tente e veja o resultado.

Perceba que utilizamos o operador “+” para fazer a soma, este operador além de indicar que será feita uma soma, pode ser utilizado para concatenar textos, ou ‘junta’ os textos.

Por exemplo vamos utilizar o operador “+” para concatenar o nosso Olá mundo.

Digite print “Olá “ + “mundo!!” e aperte “Enter”.

Perceba que o resultado é o mesmo ao obtido no primeiro exemplo.

E se quisermos fazer em uma mesma linha uma soma é uma concatenação?

Veremos no próximo post!

* Nota:

Esta sequencia de artigos está sendo feita utilizando o que venho aprendendo, como referência para os artigos estou utilizando um material disponibilizando no nesse link. É possível que algumas partes dos textos por min escrito sejam parecidas com o material citado, porém todos os exemplos são feitos e testados previamente por mim, não havendo cópia do material. Sinta-se a vontade para ler o material que citei, é um ótimo material. O que estou fazendo é estudando python, inclusive com outros materiais e a medida em que vou aprendendo, escreve os artigos aqui no HinfOS, que a maneira que tenho de exercitar e ter um material disponível onde eu estiver, para consultas rápidas.

Porque aprender duas Linguagens de Programação

Hoje em dia saber de tudo não é necessariamente uma boa. Não se pode saber de tudo, essa é a verdade. O máximo que se consegue é ser um “Oceano[bb]de informação, com dois dedos de profundidade”. Isso é bom? Não!

Nesta situação, você, na sua roda de amigos, em uma reunião, até consegue iniciar um assunto, mas nunca conseguirá prosseguir na discussão. Você sabe o que aconteceu no 11 de Setembro de 2001, e ficaria por ai. Qual foi a motivação, o que desencadeou? Todos que estão a sua volta estariam discutindo, mas você ficaria meramente balançando a cabeça, sem ao menos saber se aquelas afirmações são verdadeira, ou sequer dar sua opinião.

“Então devo somente focar em um assunto?” Não!

A partir de agora o papo será somente focado em informática.

Quando se trata de grande fluxo de informação, grandes evoluções em curtos períodos de tempo, não se pode focar em somente um assunto. Isso pode ser perigoso. Daqui alguns anos, o que você demorou anos para se aprofundar e esmiuçar cada detalhe, pode não valer mais nada.

Explico porque o título se refere a somente a duas linguagens.

Quando digo “duas linguagens”, estou falando em duas linguagens principais, aquela que se aparecer alguém na sua porta pedindo um sistema, você não teria problemas em desenvolver.

Por exemplo: você já programa em Visual Basic. Por que não aprender C#? Assim você pode dominar parte* da plataforma .NET.

O que eu escrevi nos primeiros parágrafos fará sentido agora. Não necessariamente, você precisará aprender C# para poder ter assunto com seus amigos.

Imagina a situação que empresa que você trabalha, utiliza somente Visual Basic para desenvolver as aplicações. Certo dia, seu chefe dá a notícia que a empresa fechou um negocio onde eles serão Software House de um projeto que já foi iniciado, e este projeto por acaso foi iniciado em C#. Pode não ser uma situação tão comum, mas acredito que vocês entenderam onde quero chegar.

Posso sobreviver com duas linguagens de programação então?”

Até pode. Mas será um pouco complicado. Por isso utilizei “duas linguagens principais”.

A qualquer momento na empresa que fechou o negocio com o projeto em C#, pode te transferir para um outro desenvolvimento. Desta vez, um portal de notícias[bb]na internet.

Claro que se a ideia de desenvolver esse portal for de fazê-lo em ASP.NET, você poderá utilizar os seus conhecimentos em Visual Basic ou C#. Mas não é somente isso que envolve o desenvolvimento WEB. Em algum momento você precisará de alguma ação que não envolva o envio dos dados para serem processados no servidor, conhecidos como client-side. Para isso costuma-se utilizar o Javascript. Não seria a sua linguagem de programação principal, porem auxiliaria no desenvolvimento. Não seria obrigatório (a menos que você desenvolva somente para WEB), mas seria uma ótima pedida.

E uma quarta linguagem?”

Pode ser. Entretanto aconselho ir com cuidado a partir dai para não entrar na questão do oceano com dois dedos de profundidade.

É sempre bom abrir novos horizontes. Uma quarta linguagem pode ser uma forma de você exercitar seu cérebro, com algo sem comprometimento, como uma diversão[bb]. Quando se der conta você poderá utiliza-la em seu currículo, como algo que não é totalmente de seu domínio, mas que pode falar a respeito, além de somente puxar assunto e ver todos ao seu redor discutindo enquanto você só assiste.

* A plataforma .NET possui outras linguagens, mas as mais conhecidas são Visual Basic e C#. Aqui vai a lista das linguagens da plataforma: C#, C++, F#, J# e Visual Basic.